sexta-feira, 26 de outubro de 2007

Não vai haver uma Bolha 2.0!

Ultimamente, todo mundo anda falando de uma nova "Bolha 2.0" que poderia estourar assim como a bolha do pontocom nos idos de 2000. O renomado jornalista John Dvorak neste artigo disse com todas as palavras que está sendo formada uma nova bolha na Web e que ela VAI ESTOURAR.

Eu não acredito nisso. E tem gente que concorda comigo. Já estava com este post para ser escrito faz um tempo, ao ler este post do Alexandre Fugita resolvi terminá-lo.

Mas por que não concordo com o senhor Dvorak? Primeiro de tudo, provavelmente foi este mesmo senhor que consolidou de vez essa nova onda de achismos em relação a uma nova Bolha das pontocom. Como o cara é macaco velho da indústria, o pessoal foi na corda dele!

Qual é o argumento deles?

Quem acredita no novo "estouro" diz que o mercado está novamente saturado. Cheio de novas empresas (lotado!) conseguindo dinheiro de fundos de investimentos. O problema que muitos alegam é que estas chamadas startups não têm, de fato, um plano de negócios sólido, que possa trazer retorno financeiro pra ela própria e obviamente para seus investidores. Esta foi a característica marcante que decretou o estouro da bolha "1.0" anos atrás. Um monte de Websites eram criados e recebiam enormes quantias de dinheiro mas não tinham a mínima idéia de como faturar este dinheiro "de volta". As formas de um site sobreviver naquela época eram escassas. O comércio eletrônico ainda engatinhava. Não existia AdSenses e afins. Gerar dinheiro com um serviço eletrônico era uma tarefa árdua.

Outro argumento/exemplo a favor da bolha 2.0 são as compras bilionárias (Youtube, FeedBurner, DoubleClick... só citando as do Google :P) de sites e serviços que parecem não valer mais tantos milhões de dólares. Ou será que podem, sim, valer tudo isso?

Qual é o meu argumento?

Os que sobreviveram aquela tormenta entenderam que precisavam mudar sua forma de encarar a Web. Ninguém mais achava que "fazê site na internét" era o Eldorado do mundo digital e pra chegar lá era só inventar um serviço aleatório (venda de fraldas Online, por exemplo). De lá pra cá vimos as coisas se profissionalizarem muito, especialmente aqui no Brasil onde a coisa eram bem devagar em 2000. Os grandes grupos de investimento já estão bem acordados para os riscos e agora olham com muito cuidado o plano de negócios dos candidatos a futuros milionários da Web.

Hoje é MUITO difícil entrarmos em algum site/serviço online que não tenha uma forma bem visível de ganhar dinheiro. Dois jeitos bem fáceis de enxergar: anúncios (AdSenses da vida...) ou pagamento do serviço especial PRO, PLUS, PREMIUM, vocês sabem. Se estas formas realmente dão lucro para o serviço já é outra história e cabe ao investidor ter o feeling para saber isso. Além de que o próprio mercado se encarrega de eliminar empresas incompetentes/ruins/sem graça.

E o YouTube? Vale os 1,6 bilhões que o Google pagou por ele? O FeedBurner valia 100 milhões? (A lista poderia continuar, mas sei que vocês já entenderam a idéia). Muita gente só consegue enxergar a compra de um grande Website como uma forma de faturar em cima dele depois e recuperar este dinheiro através dele e somente. Ou seja, o YouTube teria que gerar mais de 1 bilhão em receita para o Google para fazer valer a pena a compra. Não é assim que a coisa funciona.

O YouTube é de longe o mais usado serviço de vídeos da Web. O Google é o done dele, e pôs o seu logotipo em alguns pontos do site. Dá pra entender o quanto isso fortalece a marca? O Google não vai faturar só diretamente com o YouTube, vai faturar também (e muito) indiretamente também. O FeedBurner é um serviço extremamente consolidado com uma base de usuários muito grande. Não preciso explicitar como o Google pode tomar vantagem disto né? =P

Vai ou não vai ter?

É impossível ter 100% de certeza (como quase tudo na vida) mas estou tendendo a achar que isso tudo não passa de um "hype". O mercado da Web já está bem consolidado e ao contrário do que o John Dvorak fala, não creio que vá ter várias outras bolhas de tempos em tempos. O homem é burro, e costuma insistir no erro, mas em um mercado com negócios que podem valer bilhões de dólares esta afirmação pode simplesmente deixar ,milagrosamente, de ser verdade.

7 comentários:

Sergio Lima disse...

Ólá Felipe!

Os argumentos a favor da bolha e contra, me pareceram muito baseados em "atos de fé"... de todos modo, eu sou otimista, e acho que o raio não cairá duas vezes no mesmo lugar!


[]'s

GCM disse...

Olá Felipe... eu sinceramente não sei se acredito em uma bolha ou não... mas o fato é que tem sim:
* muitas empresas sem um modelo de negócios definido
* MUITAS empresas copycats com modelos de negócio fracos(ex: Slides da vida...)
* Muitas empresas baseadas em receitas de publicidade (ex: Facebook, MySpace, Slide novamente)
* Valuations MUITO altos... YouTube, Facebook, etc

E discordo... empresas são compradas (e avaliadas) pela SUA capacidade de gerar dinheiro no futuro, dificilmente avaliam uma empresa simplesmente pelo peso da sua marca. No fundo é a planilha financeira quem manda e não o marketeiro maluco.
Sem dúvida o YouTube, com o fluxo de usuários que tem, pode gerar uma receita de publicidade imensa... mas o fato é que, até agora, não acertaram a mão... Com o caixa disponível do Google eles têm alguma folga até descobrir o toque de midas... mas esses são casos à parte...

O mais assustador é que as coisas estão MUITO rápidas... um dia o MySpace é o hype do momento, 2 meses depois é o SecondLife, 2 meses depois o Facebook... e os valuations vão subindo, e subindo, bilhões e bilhões... sendo que nenhuma delas tem fluxos de caixa que garantam esse valor para as ações.

Sem dúvida o mercado aprendeu da pior maneira possível em 2000, mas como em todo momento eufórico na economia, muitas pessoas despreparadas começam a entrar no jogo e tudo vira festa... uma hora ou outra vai ter um chacoalhão no mercado, mas (quem sabe) o tombo não seja tão grande como foi em 2000.

Fabio Akita, PMP disse...

Muita gente realmente odeia o Dvorak, chega a ser engraçado :-) Mas ele tem razão. Na verdade não há nada de novo aqui.

Algumas empresas já estão sofrendo com isso. Veja o caso do eBay: comprou o Skype e agora não sabe o que fazer com ele.

Publicidade (ads) dão dinheiro, mas não dão bilhões. O market cap dessa empresas todas estão hiperinfladas. Eles não tem assets de verdade. Tem acessos e isso é volátil demais.

Talvez não esteja tão ruim quanto foi em 2000, mas definitivamente é um fato que o market cap dessas empresas está alto demais, para qualquer critério de medida é um imprudencia apostar em empresas desse tipo.

Marketing sozinho não paga a infraestrutura milionária necessária para processar e manter tantos videos no YouTube por exemplo. O Google vai ter que fazer malabarismos para manter isso.

Felipe Hummel disse...

Sérgio:

De fato, tem muito de "achismo" dos dois lados. Mas economia e tecnologia são áreas onde a certeza de algo é raridade.

GCM:

Tem muitas empresas sem modelo de negócios, sim. Mas não creio que os investidores invistam centenas de milhares de dólares nestas empresas. Podem até investir, mas o fato é que este caso não é a maioria como era em 2000.
Tem muita empresa fraca mesmo... heheeh

Tem um fundo "marketeiro" sim. Mesmo que não tivesse, a capacidade de o Youtube, por exemplo, de gerar 1 bilhão de dólares nos próximos anos através de publicidade não é dúvida pra ningúem. (creio eu) O Google já está fazendo publicidade no Youtube e vai continuar aperfeiçoando.

Exatamente, o seu último parágrafo eu concordo. Creio eu que não é tão difícil acontecer uma chacoalhada no mercado. Mas, na minha visão, deve ser "menos pior" que a de 2000.

Fabio Akita:

O Dvorak é "chato"! hehehe Ele fala muitas coisas interessantes e outras muito controversas. Mas enfim...

Você citou algumas coisas interessantes que meio que complementam o que o GCM aí em cima falou. Não é impossível que acontece outra bolha e/ou outro estouro. Só que ao meu ver, deverá ser mais fraca e não tão alarmante quanto a primeira. Já o Dvorak, se não me engano, fala que vão haver bolhas 2.0, 3.0, 4.0 e que elas só tendem a piorar! heheuhe

É, de fato, um assunto polêmico.

Abraço e Valeu pela participação!

GCM disse...

Felipe, fazendo uma brincadeira com números, para retornar o investimento do Google o Youtube não precisa gerar apenas US$1bi.. precisa gerar algo próximo dos U$4bi... o que não é pouca coisa para ser gerada por publicidade, mesmo para um site com o fluxo do YouTube.
É que precisa levar em consideração a taxa de retorno que os investidores estão esperando (deve estar próxima do seus 30%).

Os planos dos caras devem ir muito além da simples jogada de "marketeiro" e a aposta em geração de receita via publicidade apenas pelo site.
Sem dúvida eles não são bobos como muitos investidores por aí... :)
Abraços!

Felipe Hummel disse...

Num mercado de bilhões de dólares ninguém é bobo! heheheh

Abraço!

Christiano Milfont disse...

A bolha 1.0 aconteceu por especulação financeira simplesmente, agora temos uma "cultura de compartilhamento" e isso é a grande diferença entre as duas épocas, as chances de acontecerem uma segunda bolha é remota.
A WEB 2.0 é baseada em serviços web e o faturamento é superior ao mercado "desconectado" por meio desses serviços.