sexta-feira, 25 de abril de 2008

Web 2.0: o que realmente foi, é e vai ser?

Estes últimos dias estive estudando a possibilidade de dar uma palestra sobre Web 2.0 para os calouros aqui da faculdade. A gente percebe claramente que a maioria deles entra na universidade achando que a Web atual se resume a Orkut/Wikipedia/Google. Seria interessante mostrá-los que há muito mais coisas interessantes que eles poderiam aproveitar. Quem sabe já ir botando na cabeça deles a idéia de criar um serviço na web e montar uma empresa em cima disso.

Apenas mostrar um monte de sites interessantes (Delicious, Twitter, Digg-likes, blogs, agregadores de blogs e outros) já seria legal, mas eu queria mostrar mais do que isso, fazê-los entender em que contexto a Web está hoje. Posso tentar.

A chamada Web 2.0 pode ser resumida (salvo exceções) num só conceito: o foco nas pessoas e tudo em volta delas.

Pouco tempo atrás (5 anos ou mais), empresas que investiam na Web e em sites preocupavam-se principalmente com seus produtos, preços, como receber mais capital (olha o estouro da bolha). O usuário entrava no site isolado e indepedente de outros usuários, fazia sua compra/pesquisa/utilização e pronto. A navegação era muito focada em objetivos claros, que geralmente envolviam vender o produto de uma empresa.

Hoje, milhares de sites (os citados acima, por exemplo) provam que o usuário pode fornecer muita informação, pode gerar muita informação. A Wikipedia, por exemplo, percebeu isso e deixou os seus usuários gerarem e alterarem toda a informação contida no site. Outro exemplo é o Camiseteria, que não contrata designers para fazer estampas. Os seus próprios usuários criam e enviam para a comunidade do site. As mais votadas são fabricadas e vendidas, não antes de premiar os designers mais criativos.

Vários outros serviços tem um contexto similar: Flickr, videolog, Youtube e blogs em geral são lugares onde a pessoa pode compartilhar alguma produção sua ou de outros, seja imagem, vídeo ou texto. Novamente: o usuário gera informação.

Muito ligado com estes últimos exemplos está o conceito Social. Hoje qualquer site que se preze tem uma "camada social". Um modo de seus usuários interagirem entre eles, seja através de comentários ou ae de uma própria rede social integrada.

Ainda atrelado a este conceito estão os serviços que se enquadram na categoria de Social Media, sites que se aproveitam da "sabedoria das multidões". Na Web 2.0 não basta uma pessoa dizer que algo é bom ou ruim, é mais interessante cada um dar sua opinião. No final, a opinião coletiva vence.

Tá, já sabemos que o usuário é o grande centro das atenções. Todos os dias pipocam startups propondo serviços que você nem imagina que possa precisar (muitas vezes não precisa mesmo). O que falta fazer?

Alguns conceitos devem se fortalecer e talvez dar vida a novos serviços.
  • Personalização
  • Interoperabilidade
  • Convergência
O usuário quer fazer determinada coisa de qualquer lugar e do seu próprio jeito único e quer fazer o máximo de coisas sem precisar ir em vários sites/lugares diferentes.

Na Web 2.0 a informação se tornou um recurso de suma importância, tanto na forma de notícias, artigos e páginas Web, quanto na forma de dados pessoais de usuários. O Google sabe muito bem disso.
Peter Norvig, diretor de pesquisa do Google resumiu bem a idéia, na Startup School 2008:

"Consiga dados; especialmente dados sobre outras pessoas. Qualquer um pode ir na Web e conseguir 1.7 bilhões de palavras. Faça isso e depois faça algo com elas (análise, algoritmos, busca)". (Extraído desse resumo da conferência)

As empresas que souberem como conseguir e tratar dados do usuário e transformá-las em informação útil sairão na frente, quem sabe, na Web 3.0.

Leia também:

8 comentários:

Guilherme disse...

Ainda bem que tú colocou a Convergência, o que na minha opinião é o que vem primeiro, e tudo hoje em dia tá apontando pra isso.

Guilherme Serrano disse...

Eu acho legal apresentar para os calouros um conceito que muitos deles ainda podem demorar para perceber.

o simples fato de conhecer novas tendências/idéias/possibilidades já faz as mentes criativas ficarem matutando possíveis projetos...

ps: e tu mora em manaus tá convidado pra uma cerveja, Hummel! Dia 31 de maio estou chegando por aí, do frio do sul para o calor manauense (putz, acertei?)!

abracetas

Felipe Hummel disse...

Com certeza, Guilherme. É bom dar uma geral pra eles, pra não ficarem desnorteados hehe.

Sim, sou de Manaus mesmo. Qualquer coisa dá um toque no twitter.

Abraço!

Guilherme Serrano disse...

ah, não pude deixar de lembrar do teu post. O Uêba hoje está fazendo uma pesquisa coletando informações do usuário. Uma coisa bem completa que sem dúvida (se o pessoal participar, eu já fiz minha parte) vai permitir melhorar o rendimento com publicidade por lá.

Felipe Hummel disse...

To dando uma olhada lá Guilherme!


Informação (dos usuários de preferência) é tudo! hehe

Valeu pela dica.

Abraço!

Carros Brasília disse...

Olha, vale lembrar os 'micro-formatos' que devem começar a chegar nesse meados de ano e o ano que vem.

Hoje, o que observo muito é que pra se atingir um bom nível de interação com o usuário e fazer com que ele forneça informações é importante facilitar ao máximo, aí entra as "Ajax Patterns", vale dá uma olhada no site: http://ajaxpatterns.org/

Felipe Hummel disse...

Com certeza, vale dar uma olhada nos micro formatos que podem trazer novas funcionalidades pra Web.

Valeu pela dica do Ajax.

Abraço!

Cristiano Casagrande disse...

Ótimo post, Felipe! Concordo com você que existem muitos mais serviços web que facilitam a nossa vida, mas que ainda não são utilizados pela maioria.

Aproveitei a pauta e publiquei uma matéira sobre Web 2.0 no meu blog também. Como é um blog para colecionadores, selecionei 5 sites que podem ser muito úteis para quem coleciona.

E para quem não coleciona também: http://telecartofilistas.blogspot.com/2008/05/novas-tecnologias-servico-da.html

Um grande abraço.